• eliannigaio

Parte 1 - Inflamação Crônica, a Principal Causa de Múltiplas Doenças

Updated: Jul 9


Inflamação Crônica, a Principal Causa de Múltiplas Doenças


Devemos considerar a inflamação sob dois aspectos diferentes (na realidade, três):


- Inflamação aguda rápida e de curto prazo


- Inflamação de longa duração ou crônica


- Síndrome da resposta inflamatória crônica, conhecida como CIRS. Doença progressiva, multi-sistêmica e multi-sintomática, causada por exposição a bio-toxinas. Podendo afetar qualquer sistema do nosso corpo e se não for tratada, pode se tornar debilitante (veja mais abaixo).


Inflamação aguda


A inflamação aguda é a maneira do nosso sistema imunológico responder a danos ou estímulos repentinos, como por exemplo, uma lesão física, corte em um dedo, infecção por patógenos, queimaduras de sol ou de fogo, irritantes químicos, etc.


Basicamente, quando ocorre uma lesão em nosso corpo, nosso sistema imunológico libera células inflamatórias que viajam para o local da lesão, cercando e protegendo a área lesionada.


Portanto, se a inflamação for breve e durar poucos dias, não é por si só algo ruim. É a maneira inata que nosso sistema imunológico tem para acelerar a cicatrização e reparar os tecidos danificados. Nos mantendo seguros e saudáveis. Um processo crítico para garantir a nossa sobrevivência. (1)


A inflamação aguda muitas vezes causa sintomas visíveis, como por exemplo:


- Dores

- Inchaço

- Vermelhidão

- Rigidez muscular

- Calafrios

- Febre

- Fatiga, entre outros


Inflamação crônica


Por outro lado, a inflamação crônica é um processo e silencioso, onde muitas vezes não podemos nem ver e nem sentir nada. Podendo durar meses ou até anos para se pronunciar.


Assim, se deixamos a inflamação crônica “correr solta”, podemos ter problemas significativos. E comprometer gravemente nossos tecidos, articulações, órgãos e vasos sanguíneos.


Os efeitos e a extensão da inflamação crônica variam de acordo com a causa da lesão e a capacidade do indivíduo de se auto reparar e superar o estrago causado.


Embora seja importante entender que a inflamação crônica não é uma doença específica. Os estragos causados em nosso corpo com este processo inflamatório lento, podem gerar uma doença específica. (2)


A inflamação crônica tem alguns sintomas comuns que geralmente não são tão específicos, incluindo:


- Dores no corpo

- Problemas gastrointestinais, como diarreia, constipação, etc.

- Ganho ou perda de peso

- Dores musculares e articulares

- Cansaço crônico

- Depressão

- Ansiedade

- Infecções frequentes e muito mais


Síndrome da resposta inflamatória sistêmica/crônica (CIRS)


A síndrome da resposta inflamatória sistêmica (CIRS), como o nome sugere, é uma doença complexa causada pela desregulação do sistema imunológico após a exposição a organismos produtores de bio-toxinas.


“Bio-toxinas são pequenas moléculas lipossolúveis produzidas por microrganismos biológicos, capazes de causar doenças por contato ou por absorção pelos tecidos do corpo”.


Abaixo estão listados “os organismos produtores de bio-toxinas. Conhecidos pelo poder de causar no corpo uma cascata inflamatória crônica, com graves efeitos à saúde:


- CIRS – edifícios danificados por infiltrações de água - Chaetomium globosum, Aspergillus penicilloides, Aspergillus versicolor, Stachybotrys chartarum, Wallemia sebi, Actinomycetes, bactérias e inflamações

- CIRS – síndrome pós-Lyme – espécies de Borrelia

- CIRS - Possível síndrome estuarina associada (PEAS): Pfiesteria (dinoflagelado)

- CIRS - Ciguatera: Gambier discus (dinoflagelado)

- CIRS - Aracnídeos: aranha reclusa

- CIRS - Apicomplexas: Babesia spp., Sarcocystis

- CIRS - Cyanobacteria: Microcystis, Lyngbya, Cylindrospermopsis, Anabaenopsis”


CIRS é uma condição compreensiva, multi-sistêmica e multi-sintomática que ocorre quando uma destas bio-toxinas se prendem às células do sistema imunológico e não se soltam. Podendo levar a disfunções de múltiplos sistemas, se não tratada. (3)

Indivíduos com CIRS frequentemente apresentam uma serie de sintomas, incluindo (alguns estranhos):


- Cansaço crônico e exaustão

- Dores de cabeça

- Problemas de memória e de concentração

- Desorientação e confusão

- Vertigens e tonturas

- Dormências e formigamentos no corpo

- Sabor metálico na boca

- Dores e cãibras no corpo, músculos e articulações

- Problemas gastrointestinais crônicos, como dores abdominais, cólicas, náuseas, diarreia aguda, etc.

- Choques estáticos no corpo

- Hipersensibilidade à luz, eletrônicos e cheiros fortes

- Chiado, tosse, infecções crônicas no trato respiratório superior, falta de ar, entre muitos outros


Caso você tenha sintomas cronicos, incluindo alguns dos sintomas “estranhos” descritos acima, que não são facilmente resolvidos por médico convencionais, te recomendo ler os livros do Dr. Ritchie Shoemaker.


Dr. Shoemaker escreveu muitos livros sobre doenças inflamatórias crônicas. Em seu último livro Surviving Mold: Life in the Era of Dangerous Buildings, onde você pode encontrar um guia fácil sobre como diagnosticar CIRS, tratamentos e como retornar à boa saúde. (4, 5)


Além disso, se você precisar encontrar em tua área um profissional certificado pelo Dr. Shoemaker, acesse o site do Dr. Shoemaker: survivalmold.com (valido somente para residentes nos EU).


Medindo a inflamação do corpo


A maneira mais comum de medir a inflamação é através de um exame de sangue chamado CRP – significa proteína C-reativa de alta sensibilidade. Ou seja, uma proteína que entra na corrente sanguínea em grande número em resposta à inflamação ou lesão em tecidos.


Por esta razão, este é um marcador que pode estar presente em vários estágios da inflamação e pode mostrar precocemente sinais de doença cardiovascular e aterosclerose oculta.


O intervalo de referência funcional para CRP é entre 0-1 mg/L. Variações entre 1-9 mg/L indicam inflamação sistêmica ou podem estar relacionadas à gravidez.


Se este marcador vier muito alto, tenha em mente que os níveis de CRP também podem aumentar após um único treino intenso e longo. Pois exercício físico é um tipo de estresse que causa danos em tecidos de nosso corpo. (6, 7, 8)


Além da proteína C reativa, outros marcadores nao-específicos de inflamação crônica são: IL-6 Interleucina-6, Ferritina, Fibrinogênio e TNF alfa.


Como a inflamação crônica afeta nosso corpo?


A inflamação de longa duração ou crônica é uma das principais causas de múltiplas doenças, que coletivamente representam as principais causas de incapacidade e mortalidade em todo o mundo, chamadas de doenças não transmissíveis (DNTs).


Doenças não transmissíveis, as maiores assassinas no mundo


Doenças Não Transmissíveis (DNTs), inclui:


- Doenças cardiovasculares

- Acidente vascular encefálico

- Câncer

- Doenças respiratórias crônicas

- Diabetes


Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), as Doenças Não Transmissíveis (DNTs), compartilham o mesmo padrão crônico e não contagioso e tendem a ter uma progressão lenta ou flutuante.


Coletivamente, essas doenças são consideradas as maiores assassinas no mundo, responsáveis ​​por quase 70% de todas as mortes mundo afora.


No entanto, embora estas condições tenham características únicas, vários estudos sugerem que a maioria destas doenças crônicas modernas compartilham a mesma causa: inflamação crônica. (9, 10)


Por que a inflamação crônica está associada a doenças crônicas?


Você deve estar pensando: Como que a inflamação, um mecanismo de proteção do nosso corpo, pode se transformar em algo disfuncional que está associado a uma verdadeira epidemia de doenças crônicas no mundo?


O que se passa é que as respostas inflamatórias são processos geneticamente programados e regulados para que durante uma emergência, no curto prazo, possa restaurar a homeostase em nosso corpo.


Se o processo inflamatório ficar fora de controle, desregulado e crônico, o nosso sistema imunológico continuara enviando células inflamatórias, mesmo que não exista nenhuma lesão a ser reparada.


A inflamação crônica pode comprometer e danificar nossas células e tecidos saudáveis, órgãos e DNA. Nos tornando assim muito mais vulneráveis ao desenvolvimento de várias doenças crônicas.


Interessante é que a grande maioria das doenças crônicas são chamadas pelos cientistas de doenças modernas ou causadas pelo homem. O motivo é que doenças crônicas eram raras ou mesmo, não existiam na vida de nossos ancestrais, os caçadores-coletores paleolíticos.


Isto nos mostra que a grande maioria destas condições crônicas modernas são evitáveis, pois são resultados das mudanças rápidas e radicais que fizemos tanto em nossa dieta, quanto em nosso estilo de vida modernos. (11)


Nossa dieta e estilo de vida versus inflamação crônica


Maus hábitos como por exemplo, o consumo excessivo de alimentos altamente processados, pobres em nutrientes vitais ricos em calorias, o abuso de bebidas alcoólicas, tabagismo, toxinas ambientais, inatividade ou excesso de atividade física, sono desregulado, estresse crônico, etc., são alguns dos principais responsáveis tanto no desenvolvimento, como na progressão de doenças crônicas. (12, 13, 14)


Felizmente, se paramos de esperar por intervenções médicas convencionais, pela última descoberta em drogas ou cirurgias e olharmos honestamente em nossa dieta e estilo de vida, seguramente vamos ver que há muito que podemos fazer para proteger nossa saúde e ajudar que nosso corpo não se tornar cronicamente inflamado.


Na realidade, isto nos lembra que somos produto de nossas escolhas, não vítimas de nossas circunstâncias.


No próximo artigo vou falar em detalhes sobre as principais causas de doenças crônicas e muitas maneiras de prevenirmos inflamação crônica.


Por favor, deixe teu comentário ou pergunta no link abaixo.


Referencias:


1- https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32310543/


2- https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29630225/


3- https://www.aph.gov.au/Parliamentary_Business/Committees/House/Health_Aged_Care_and_Sport/BiotoxinIllnesses/Report/section?id=committees%2Freportrep%2F024194%2F26442


4- https://www.amazon.com/Surviving-Mold-Life-Dangerous-Buildings-ebook/dp/B004NSVIYM


5- https://www.survivingmold.com/docs/CIRS.JLS.FINAL.PDF


6- https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5908901/


7- https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3586919/


8- https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fphys.2019.01550/full


9- https://www.who.int/news/item/09-12-2020-who-reveals-leading-causes-of-death-and-disability-worldwide-2000-2019


10- https://www.cdc.gov/globalhealth/healthprotection/ncd/global-ncd-overview.html


11- https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4300235/


12- https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30511505/


13- https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32531935/


14- https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6817492/







24 views0 comments