• Elianni Gaio

Entendendo os Desequilibrios de Ferro - Parte 1 - Deficiência de Ferro ou Anemia - Causas, Sintomas,

Desequilíbrios de Ferro

Deficiência ou Anemia

Aproximadamente cinquenta por cento dos indivíduos em todo o mundo tem um problema de saúde desencadeado ou acentuado pelo desequilíbrio de ferro.

A gravidade dos sintomas causados ​​por desequilíbrios de ferro varia de imperceptível ou leve a grave e até fatal.

Anemia por deficiência de ferro é a condição de desequilíbrio de ferro mais frequentemente reconhecida e a qual afeta um terço da população global.

Por outro lado, excesso de ferro afeta 35 milhões de pessoas em todo o mundo. Ou seja, menos comum talvez, porque geralmente é pouco testada por médicos convencionais.

O equilíbrio de nutrientes vitais é necessário para a saúde perfeita e consequentemente, a deficiência ou a exposição excessiva a nutrientes essenciais tem consequências evidentes nos estados de saúde e doença.

“Um nutriente vital é um nutriente necessário para o funcionamento normal do corpo que não pode ser produzido pelo organismo.

Categorias de nutrientes vitais incluem vitaminas, minerais, ácidos graxos essenciais e aminoácidos essenciais.”

Assim, o ferro é um micronutriente vital necessário para apoiar processos biológicos essenciais, como:

. produção de glóbulos vermelhos e para fazer hemoglobina (transporte de oxigênio para os tecidos e células do corpo) e mioglobina (armazena oxigênio nos músculos, o que lhes permite trabalhar)

. componente essencial de centenas de outras proteínas e enzimas

. síntese de dna

. divisão celular

. conversão de açúcar no sangue em energia (permite que os músculos trabalhem em seu nível ideal durante o exercício)

. funcionamento eficiente do sistema imunológico

. função neurológica normal

. neurotransmissores

. crescimento físico e mental

. hormônios

No entanto, como vimos acima a deficiência de ferro é uma das condições nutricionais mais comuns no mundo devido a:

Duas causas comuns de deficiência de ferro:

1 - Maior demanda do corpo por ferro devido a:

. períodos pesados

. gravidez

. uso de medicações e antiácidos

. suplementação

. perda de sangue em acidentes ou cirurgias

. sangramento gastrointestinal

. doações excessivas

. abuso de álcool

. intoxicação por metais pesados

. baixo acido estomacal

, doença celíaca

. sangramento gastrointestinal

. doenças autoimunes

. gravides

. infecções

. comprometimento da mucosa intestinal dificultando a absorção

2 - Diminuição do consumo de ferro na dieta (ao menos o tipo de ferro que o corpo pode absorver que é o tipo heme (encontrado em produtos animais) ou, diminuição da absorção do ferro pelo corpo devido a:

. dietas vegetarianas e veganas

. dieta rica em alimentos que impedem a absorção de ferro além do que grãos e sementes devem ser preparados adequadamente para consumo

. uso de medicamentos e antiácidos

. baixo acido estomacal

. doença celíaca

. doenças autoimunes

. problemas hormonais

. doença de crohn

A população de maior risco a desenvolver deficiência de ferro inclui:

. mulheres

. gravidas

. múltiplas gravidezes

. crianças

. idosos

. seguidores das dietas vegetariana e vegana

. atletas ou aqueles que realizam exercícios intensos

. mulheres com períodos pesados

. pessoas com perda de sangue, como no caso de cirurgias

. pessoas com DII (doença inflamatória intestinal)

. pessoas celíacas

. uso de omeprazol (antiácidos) por longo prazo

. alcoólatras

. gastrite atrófica

. Mulheres afro-americanas e hispânicas

Os sintomas de deficiência de ferro variam de leve a grave e podem incluir:

. fadiga

. ritmo cardíaco acelerado

. palpitações e respiração rápida ao esforço

. síndrome das pernas inquietas

. infecções

. má função mental e falta de claridade

. tolerância ao exercício físico reduzida

. incapacidade de manter a temperatura corporal adequada

. unhas frágeis e quebradiças

. feridas no canto da boca

. má função tireoidiana e síntese dos hormônios tireoidianos prejudicada

. dificuldade de engolir

. comprometimento do desenvolvimento psicomotor em crianças induzindo comportamento de curto e longo prazo e alterações cognitivas

. pica (é um distúrbio alimentar que envolve o consumo de itens que normalmente não são considerados alimentos, como pelos, sujeiras e lascas de tinta)

Dose diária recomendada (RDA-FDA) para Ferro: (lembre-se que a dose diária recomendada é a quantidade necessária para serem evitados sintomas de deficiências agudas e não a quantidade necessária para uma ótima saúde)

É muito importante compreender que o ferro que está disponível nos alimentos tem duas formas especificas (ferro heme e o ferro não-heme). De tal modo, por terem diferentes formas, são absorvidos pela mucosa intestinal de maneira completamente diferente um do outro.

O ferro heme é a forma de ferro facilmente absorvida pelo intestino e é encontrado em nossa dieta em produtos de origem animal, como carne, peixe e frutos do mar e aves.

Já, o ferro não-heme é a forma de ferro encontrada tanto em produtos à base de plantas como também em produtos de origem animal (produtos de origem animal contem uma combinação dos dois tipos de ferro: heme e não heme).

O ferro não-heme tem a sua biodisponibilidade dificultada por outras substâncias habitualmente consumidas em nossas dietas como café, chá, laticínios, fibra suplementar e cálcio ou, também pelo consumo de grãos e sementes preparados inadequadamente.

O ferro não heme é a forma de ferro que encontramos em nossa dieta em sementes, grãos, leguminosas (preparadas adequadamente), saladas, vegetais e frutas. Mais também pode ser encontrado em produtos de origem animal, ovos e produtos lácteos.

As maiores fontes de ferro heme são:

. moluscos

. fígado de galinha

. ostra

. polvo

. fígado de boi

. mexilhão

. carnes vermelhas

. caranguejo

, peito de pato

. carne de carneiro

. carne de porco

As maiores fontes de ferro não-heme

. especiarias (tomilho, salsa)

. sementes de abobora

. sementes de gergelim

. tomates

. batatas assadas

. sementes de girassol

. avelãs

. espinafre (cozido)

. beterraba (cozida)

. acelga (cru)

Também, algumas substâncias que consumimos diminuem a absorção de ferro, como:

. cálcio - inibe a absorção de ferro heme e não-heme

. ovos - contêm fosvetina, que inibe a absorção de ferro

. oxalatos - espinafre, couve, beterraba, nozes, chocolate, chá, frutas vermelhas, algumas especiarias / ervas

. polifenóis - cacau, café, chás, especiarias, bagas, nozes, algumas especiarias

. fitato - nozes, amêndoas, gergelim, feijão, lentilha e ervilha, cereais e grãos integrais

. altas doses de zinco - limite de 20 mg por dose, tomado entre as refeições

. medicamentos e antiácidos

Enquanto outras substâncias em nossa dieta aumentam a absorção de ferro, como:

. vitamina c

. betacaroteno - damasco, beterraba, cenoura, couve, uvas vermelhas, pimentão vermelho, espinafre, tomate, etc.

. ácido clorídrico - suplementos HCL

. carne vermelha - amêijoas e frutos do mar, fígado

. açúcar - frutas, mel, etc.

. álcool (com moderação com as refeições)

Para que o tratamento de deficiencia de ferro seja eficiente, devemos ter em mente que nāo basta suplementaçao. O mais seguro é buscarmos o que causou o problema, como:

1 - devemos abordar e tratar as causas subjacentes do problema, como:

. sangramento gastrointestinal

. má absorção

. infecção

. exercício intenso

. Uso de antiácidos

2 - mudanças na dieta, como:

. priorizarmos o aumento da ingestão de alimentos ricos em ferro na dieta

. evitando substâncias que diminuem a absorção de ferro nas refeições (listadas acima)

3 - melhorando a absorção de ferro pelo intestino

. consumindo substâncias que aumentam a absorção de ferro

. suplementando com HCL (ácido clorídrico)

. tomando vitamina c com as refeições

Espero que este artigo ajude você melhorar tua saúde e vou gostar muito de ouvir teu comentário abaixo.

60 views0 comments

Tel : +1 (786) 797-0809

© 2016 Elianni Gaio